Repetidora

Repetidora

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Governo de Minas monta força tarefa em Ubá para ajudar municípios da Zona da Mata

foto da cidade de Guidoval-MG Zona da Mata



A redução das chuvas e a baixa do nível das águas do rio Xopotó, permitiram, nesta quinta-feira (05/01), que as equipes da defesa civil de Minas Gerais intensificassem o trabalho de atendimento à população de Guidoval, na Zona da Mata Mineira. A estrada que liga a cidade a Visconde do Rio Branco foi desobstruída, o que possibilitou a chegada dos primeiros caminhões com alimentos, água, colchões, material de limpeza e agentes de saúde iniciaram o trabalho de vacinação da população.
Voluntários se juntaram a integrantes da força tarefa do governo de Minas para auxiliar no descarregamento dos caminhões e armazenamento dos produtos nas salas de aula da Escola Estadual Coronel Joaquim Martins. A entrega do material será feita porta a porta e está sob responsabilidade da equipe de assistência social do município. Cerca de 150 pessoas, entre técnicos da Defesa Civil, da Gerência Regional de Saúde em Ubá, da Companhia de Saneamento (Copasa), policiais militares e do Corpo de Bombeiros Militar, servidores do Departamento de Estradas de Rodagem estão em Guidoval para prestar auxilio à população atingida, ao lado de servidores da prefeitura local e de municípios vizinhos.
Também os serviços públicos – fornecimento de água, telefonia e energia elétrica – começaram a ser normalizados. Na casa de Dona Alda Rodrigues Jorge, 79 anos, e Sebastião Jorge, 75 anos, localizada no centro da cidade, já tem água e luz. A Cedec contava, na tarde desta quinta-feira, 102 desabrigados. Quatro abrigos foram instalados para receber aqueles que foram obrigados a deixar suas residências e não tiveram para onde ir. Sebastião Jorge conta que nunca antes tinha acontecido nada igual na cidade. Dados ainda preliminares apontam para a existência de cem casas destruídas e outras 400 danificadas. "Nasci na zona rural e vim para Guidoval aos seis anos de idade. A ponte que caiu tinha mais de 100 anos", conta.
Um posto de saúde foi instalado na unidade do Centro de Referência de Assistência Social (Cras), que foi abastecido com medicamentos transportados por helicóptero e barco. Vinte e seis profissionais da área da saúde, entre eles, médicos e enfermeiros, revezam no atendimento à população. Estão disponíveis vacinas contra difteria e tétano.
Este é o momento da assistência humanitária, quando as pessoas recebem roupas, alimentos, kit higiene, até que a situação seja normalizada. “Nesta fase também é realizada a reabilitação de cenário, com o restabelecimento dos serviços de água, luz, telefone e a limpeza da área”, explicou o secretário executivo da Cedec, tenente coronel Eduardo Reis, que está em Guidoval coordenando as ações de atendimento à população.
Paralelamente, começam os trabalhos de avaliação e extensão dos danos, trabalho realizado pela Coordenação Municipal de Defesa Civil (Comdec) da Prefeitura, com a orientação e o apoio do Corpo de Bombeiros e o Cedec-MG. São feitas vistoriais e preenchidos relatórios que, posteriormente, são encaminhados, junto com projetos de recuperação, ao governo federal, para a obtenção de recursos para a reconstrução das áreas destruídas e recuperação dos equipamentos – casas, pontes, estradas, prédios públicos – danificados.
No fim da tarde de hoje, eles se reuniram no Posto de Comando da Defesa Civil, instalado ao lado do ginásio poliesportivo, para um balanço das atividades do dia e para o planejamento das ações do dia seguinte.  Para esta quinta-feira, eles tinham programado 18 ações. De acordo com o Major Anderson, responsável pelas operações da Cedec-MG, os objetivos foram alcançados totalmente ou parcialmente.
“Essas avaliações e planejamento evitam ações improvisadas, dando mais eficiência ao trabalho já que antecipa possíveis demandas da população”, disse. Desde a terça-feira passada, cerca de 50 ações foram planejadas e executadas.
Além da equipe da Cedec-MG, participaram da reunião representantes da PM, Corpo de Bombeiros, prefeitura municipal, técnicos da Copasa, Banco do Brasil, Oi, entre outros. Segundo o prefeito Hélio Lopes dos Santos, o trabalho vem evoluindo bem. “Esperamos que esse momento difícil passe o mais rápido possível”, disse.