Repetidora

Repetidora

São Tiago-MG


Não há tradição e nem uma precisa documentação que nos permitam fixar a data dos primitivos habitantes de São Tiago. Conta-se entretanto que em 1708, foi descoberto ouro na região, no local então denominado Vargem Alegre, na Fazenda das Gamelas, de propiedade do Padre José Manoel. Outro fato significativo, como marco histórico do início da povoação, chegado até nós pela tradição oral, foi o de ter sido construída, na Fazenda das Gamelas, antes de 1760, uma Capela e a ela doado um patrimônio, em 1760, com uma nesga de terreno, hoje logradouro público na sede municipal. O doador foi Domingos da Costa Afonso e sua mulher. Pode-se então imaginar, embora sem base em documentação concreta, que na região já havia várias propriedades agrícolas, fato que se deu no início da formação do núcleo populacional, dado o fato da descoberta do ouro em 1708 e a construção da Capela em 1760. Em 1820, foi construída a Igreja do Rosário. De acordo com um documento eclesiástico, as Igrejas do Distrito de São
Tiago foram anexadas à freguesia de São João Del Rei (hoje Tiradentes), fato ocorrido em 1849. A Paróquia foi fundada por Dom Viçoso, em 1855, sendo o 1º pároco o Padre Francisco Antônio Pereira.
Os primitivos habitantes fixaram-se na região, em 1708, à procura de ouro no lugar denominado Vargem Alegre, na Fazenda das Gamelas. Na ocasião, já lá habitavam proprietários de terras e, segundo a tradição oral, foi lá erigida, em 1760, uma capela frequentada, por ocasião de festas religiosas, pelos fazendeiros e proprietários de terras. Segundo a sistemática e mecânica na formação de nossos povoados e sua transformação em arraial, vila e cidade, pode-se concluir que os primitivos habitantes da região edificaram as suas casas ao redor da Capela. Assim foi paulatina e progressivamente desenvolvendo as atividades sócio-econômicas do arraial em informação. As atividades eram então predominantemente da pecuária e da agricultura. As atividades agropecuárias, indubitavelmente, foram a causa e os motivos da ocupação e do desbravamento da região, hoje município de São Tiago.
O topônimo tem a sua origem perdida no passado e admite-se, com justa razão, que seja o mesmo em homenagem a São Tiago, Santo da devoção dos primitivos moradores da povoação. O gentílico dos que nascem em São Tiago é "Santiaguense".


São Tiago - A Terra do Café-com-Biscoito



A pequena São Tiago, atualmente com uma população de 10.500 (dez mil quinhentos) habitantes, localizadas na região do campo das vertentes, situação geográfica que privilegia com a inserção nos projetos Estrada Real e Trilha dos Inconfidentes, é o orgulho de seus filhos.
Historicamente, São Tiago já é conhecida como a “A Terra do Café-com-Biscoito” devido ao seu passado como ponto de parada de tropeiros e viajantes que por aqui transitavam rumo ao Triangulo Mineiro e Goiás.
Estes comboios, vindos principalmente do Rio de Janeiro, eram aqui acolhidos com hospitalidade, sendo-lhes oferecidas fartas mesas de quitandas e uma culinária riquíssima de forno e fogão.
A cada parada no pequeno arraial denominado “São Tiago”, estes viajantes saboreavam receitas deliciosas que iam sendo repassadas de geração em geração.
Essas receitas trabalhadas artesanalmente, mantendo sua qualidade e satisfazendo o paladar dos mais exigentes degustadores, constituem terreno fértil para brotar a idéia de se realizar em São Tiago, uma grande festa para um Café-com-Biscoito, oferecendo-o àqueles que ajudaram e ajudarão a compor sua história.
Assim em 1999, é instituída a “Parada do Café-com-Biscoito”. Evento que propícia os são-tiaguenses o resgate de suas tradições, o fortalecimento de valores locais e regionais e atrai um número expressivo de turistas e visitantes.
 A Festa do Café-com-Biscoito constitui um marco no desenvolvimento sócio-econômico cultural de São Tiago, cuja projeção extrapola as fronteiras do município, pois, propicia aos patrocinadores o marketing de suas empresas e fortalece seu compromisso com o cultural.

Atualmente a cidade conta com  40 pequenas indústrias de biscoitos artesanais que absorvem uma mão-de-obra equivalente a 10% da população do município no emprego direto e indireto.
Fonte: IBGE
Autor do Histórico: JOÃO BOSCO DOS REIS